OS PERIGOS DO EXCESSO DE SAL


           

MUITO USADO POR TODOS E A MAIORIA DESCONHECE OS PERIGOS

O sal era, até o início do século XX, um importante conservante alimentar. Foi até usado como forma de pagamento no período romano, sendo esta a origem da palavra "salário". Por este motivo as explorações de sal chegaram a ter valor estratégico, inclusive tendo sido criadas vilas fortificadas para defender as salinas.


Há mais de cinco mil anos o sal já era usado no Egito e na China, mas com uma função diferente da que lhe cabe hoje: ao invés de temperar os alimentos, ele servia para conservá-los da deterioração, já que possui característica osmótica, ou seja, retira água dos alimentos e assim evita que bactérias se proliferem. Em tempos sem geladeira, essa era a forma utilizada para conservar a comida, e assim permaneceu até o início do século XX, quando passou a ser utilizado como tempero.


O cloreto de sódio(sal de cozinha) é extremamente importante para a nossa saúde, pois ele ajuda a manter o equilíbrio hídrico e o funcionamento regular das células do nosso corpo, sendo portanto indispensável a sua presença na nossa alimentação.


A necessidade diária máxima de sódio recomendada é de 2,4 gramas por dia, o equivalente a 6 gramas de sal, aproximadamente 1 colher rasa das de café ou o conteúdo de uma tampa de caneta Bic, porém o brasileiro está comendo mais sal do que deveria, chegando a um consumo de 12 a 16 gramas por dia, o equivalente a 2 a 3 vezes o ideal diário.


Sal em excesso pode causar pedra nos rins, problemas no coração, além da retenção de líquidos e hipertensão que é o terceiro principal fator de risco associado à mortalidade mundial.


Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão, estima-se que pelo menos 65% dos idosos são hipertensos. No Brasil, este mal está presente em 30% da população. Mais preocupante ainda é que atinge cerca de 5% das 70 milhões de crianças e adolescentes no país.


É importante que todos, principalmente o indivíduo portador de diabetes - que já é mais propenso a doenças cardiovasculares, vigiem a quantidade de sódio ingerida nas refeições.


O cardiologista Heno Lopes, do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP), explica que este aumento da pressão ocorre por conta da propriedade osmótica do cloreto de sódio, principal componente do tempero, que acaba atraindo moléculas de água para si e levando a retenção de líquidos. “Quando o sal entra no corpo, ele é absorvido pelo intestino e vai direto para o sangue. Se é consumido em grande quantidade, cai na mesma proporção nos vasos. Como a água do corpo é sugada pelo cloreto, o organismo, na tentativa de manter o equilíbrio e normalizar a falta de água, eleva a pressão arterial para aumentar fluxo de sangue circulando”, esclarece Lopes.


Acontece que os vasos estão acostumados com um determinado volume sanguíneo circulando dentro deles. Quando o sistema sai da normalidade e passa a ser atravessado por muito sangue, os vasos acabam se contraindo para tentar diminuir o fluxo e restabelecer o estado habitual. Como explica a nutricionista Camila Leonel, da escola de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a constrição dos vasos de fato diminui a quantidade de sangue circulando pelo organismo, mas a pressão de bombeamento do coração continua aumentada. “Consequentemente, o órgão não é irrigado adequadamente justamente quando está com seu trabalho intensificado, o que faz com que seu tecido fique mais espesso”, completa Leonel.


A sequência de alterações pode levar a uma série de problemas graves: hipertensão arterial, problemas renais, arritmia e infarto.


O problema afeta também os rins. “Como têm função de filtrar as substâncias do corpo, eles são os responsáveis por expelir o excesso de sal. Se não conseguem retirar o excedente, o cloreto acaba caindo na corrente sanguínea abundantemente”, explica Lopes.


Os rins têm papel-chave no círculo vicioso em que o organismo entra a partir do consumo excessivo de sal. “Por não eliminarem totalmente o excesso do sódio, eles contribuem para o aumento da pressão e simultaneamente sofre com a hipertensão, que influencia o funcionamento de todos os órgãos. Em estado normal, os rins são capazes de filtrar 1.070 litros de sangue, mas com hipertensão os rins começam a reter resíduos do organismo. Com isso, a pessoa desenvolve mais problemas nos rins, que ficam com mais dificuldade para excretar o excesso de cloreto de sódio, reiniciando todo o ciclo”, explica Lopes.


Em geral, quando há grande desproporção entre as quantidades de água e sal no organismo, o primeiro sinal evidente é o inchaço nas pernas e nos pés. Entretanto, normalmente um descontrole dessa magnitude acontece em pessoas com predisposição genética a ter problemas renais.


Segundo pesquisas da WCRF - Fundo Mundial de Pesquisas sobre o Câncer, ONG britânica, diminuir a quantidade de sal diariamente reduz a chance de desenvolver câncer de estômago. "O câncer de estômago é difícil de ser tratado com sucesso porque a maioria dos casos não é detectada até que a doença já esteja bem estabelecida", disse a diretora de informação do WCRF, Kate Mendoza.


A ausência do sódio no organismo também tem consequências ruins. “O sódio é um dos 22 minerais considerados essenciais na alimentação e tem papel fundamental na manutenção do equilíbrio e distribuição dos líquidos corporais (dentro e fora das células), além de contribuir para a contração muscular e transmissão dos impulsos nervosos, ritmo cardíaco, permitindo o bom funcionamento do cérebro e o controle adequado das funções vitais do organismo”, explica Leonel.


Quando há uma queda rápida dos níveis de sódio (hiponatremia), os principais sintomas são: diminuição da pressão, confusão mental, letargia, anorexia, convulsões, coma, náuseas, vômitos, câimbras, fraqueza. “Ainda, o sal de cozinha é para nós a principal fonte de iodo. A deficiência dessa substância no corpo pode causar deficiência mental e abortos espontâneos”, completa o cardiologista Lopes.


Cerca de 75% do sal consumido pelo ser humano é proveniente de alimentos processados, além de serem ricos em gorduras. Os alimentos industrializados comumente apresentam quantidades excessivas de cloreto de sódio em sua formulação. Por isso devem ser evitados. Sanduíches podem conter 80% do total máximo de sódio recomendado, enquanto os salgadinhos apresentam até 12% numa porção de 24 gramas.


Os alimentos com maior teor de sódio são os molhos prontos, temperos industrializados, conservas, enlatados, carne seca, bacalhau, caldos concentrados, sopas e pratos prontos.


Produtos processados campeões de sódio


• Macarrão instantâneo com tempero - 2721 mg de sódio em 85 g


• Macarrão instantâneo sem tempero – 1198 mg de sódio em 80g


• Frango empanado – 759 mg de sódio em 130 g


• Hambúrguer bovino – 567 mg de sódio em 80g


• Salsicha – 551 mg de sódio em 50g


• Hambúrguer de frango – 525 mg de sódio em 80 g


• Biscoito de polvilho – 270 mg de sódio em 30g


• Biscoito cream cracker – 230 mg de sódio em 30g


• Salgadinho de milho – 176,9 mg de sódio em 25g


• Requeijão – 165 mg de sódio em 30g


Algumas dicas para evitar o consumo excessivo de sal:


• Não exagere no sal no preparo dos alimentos


• Não acrescente sal aos alimentos já prontos


• Confira a quantidade de sal na embalagem do produto industrializado (se necessário diminua a dose ou não o consuma)


• Evite conservas e enlatados, pois estes apresentam grandes quantidades de sódio


• Dê preferência a produtos que não contenham sal na sua composição (queijos, manteiga ou margarinas, etc.)


• Tire o saleiro da mesa.


• Evite salgadinhos com adição de sal como amendoim, castanhas, batata chips etc.


• Evite embutidos tais como lingüiça, mortadela, presunto, salame, salsichas.


• Evite temperos e molhos industrializados como ketchup, maionese, molho de soja (shoyu), etc.


• Use ervas naturais e especiarias, pois são aromáticas e saborosas (orégano, sálvia, alecrim, manjericão, tomilho, salsinha, cebolinha, alho, louro, hortelã, coentro, erva-doce, gengibre, noz- moscada, pimenta do reino, etc.)


• Reduza aos poucos a quantidade de sal usada no preparo dos alimentos.


Fontes:

1. http://pt.wikipedia.org/wiki/Sal_de_cozinha


2. http://www.adiabc.org.br/Perigos do Sal de Cozinha


3. http://www.metodista.br/rronline/rrjornal/pasta-3/perigos-do-sal


4. http://nutricaoesaude2012.blogspot.com.br/p/os-perigos-do-consumo-excessivo-do-sal.html


5. http://www.blog.saude.gov.br/consumo-excessivo-de-sodio-causa-hipertensao-doencas-renais-e-cardiovasculares/


6. http://www.minhavida.com.br/saude/materias/12643-consumo-exagerado-de-sal-aumenta-chances-de-infarto


7. http://www.embare.com.br/para-voce/os-perigos-do-excesso-de-sal/


8. http://drauziovarella.com.br/hipertensao/por-que-o-excesso-de-sal-faz-mal-a-saude/

Copyright © 2014 - . Panela do Toninho. Todos os Direitos Reservados. Hosting: Galáxia Host | Desenvolvido por: André Miguel